Endometriose: doença silenciosa que ganha cada vez mais “voz”

Incontinência urinária afeta quase metade das mulheres com mais de 40 anos
23 de janeiro de 2018
Biquíni molhado pode causar infecção urinária. Como evitar
25 de janeiro de 2018
Show all

A Endometriose é uma doença que impacta a vida de muitas mulheres, trazendo dores intensas e incapacitantes, impedindo a realização de atividades rotineiras. Segundo a Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva, estima-se que mais de 7 milhões de mulheres sofrem de Endometriose no Brasil. De acordo com o Dr. Patrick Bellelis, ginecologista e especialista em Endometriose e cirurgias minimamente invasivas, aproximadamente de 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva são acometidas pela doença.

De acordo com o especialista, os principais sintomas da doença envolvem cólicas menstruais fortes, dores na relação sexual, dor pélvica, infertilidade, alterações urinárias e intestinais, ou seja, dor na evacuação e sangramento nas fezes durante o fluxo menstrual. Vale ressaltar que existem casos que a endometriose é assintomática, ou seja, não apresenta sintomas.

Estudos mostram que demora-se até 7 anos desde o início dos sintomas para que se faça o diagnóstico da Endometriose, quando a doença muitas vezes encontra-se em um estágio mais avançado. Por este motivo, torna-se essencial que a mulher realize exames ginecológicos periódicos e estejam sempre atentas a sintomas que se diferem dos normais.

Sabendo dessa realidade, os avanços tecnológicos trouxeram atributos positivos para o auxílio no tratamento e diagnóstico preciso da doença, como as melhorias na qualidade de imagem, envolvendo a resolução e tridimensionalidade. De acordo com o ginecologista, sem dúvida, um dos melhores tratamentos é o vídeo laparoscópico e o principal exame capaz de indicar um diagnóstico preciso é a ultrassonografia com preparo intestinal e ressonância magnética.

Outro benefício também advindo da tecnologia, é a conscientização sobre a doença através de movimentos em redes sociais, blogs e sites informativos. Assim, a doença silenciosa ganha cada vez mais “voz” através de relatos de mulheres que enfrentam o desafio que é conviver com esta doença.

“A tecnologia, sem dúvida, deve ser utilizada a nosso favor, levar informação sobre a doença para o maior número de pessoas possível é o caminho para que o seu diagnóstico seja cada vez mais precoce. É partir desta ferramenta que as mulheres se unem e juntam forças para combater o preconceito ainda existe sobre a doença, que além de dores físicas, também causa dores psicológicas” destaca o Dr. Patrick Bellelis.

Mesmo com movimentos de conscientização existente sobre a Endometriose, especialistas acreditam que sua incidência não diminuirá, porém acreditam que o diagnóstico será cada vez mais precoce, impedindo assim que as mulheres passem anos com este sofrimento, que impacta diretamente a qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *