Mulheres são as que mais sofrem com a dor pélvica crônica

Risco de bebês nascerem mortos duplica quando mães dormem de costas no final da gravidez
27 de novembro de 2017
Pesquisadores do Japão criam método que detecta câncer com precisão de 90%
29 de novembro de 2017
Show all

Apesar de não ser tão conhecida, a dor pélvica crônica (DPC) chega a atingir cerca de 16% da população feminina, afetando principalmente mulheres na idade reprodutiva e está associada à disfunções físicas, emocionais, comportamentais e sexuais. A dor, sintoma mais frequente, muitas vezes, possui caráter constante e pode piorar no período pré-menstrual e menstrual.

Segundo a Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (Sbed), são várias as causas da DPC, tais como: ginecológicas, urológicas, gastroenterológicas, musculares, vasculares e neurológicas, visto a pelve possuir diversas estruturas anatômicas. Entre as doenças que mais levam ao aparecimento da dor pélvica crônica estão a endometriose, a síndrome do intestino irritável, a síndrome da bexiga irritável, a vulvodinia, a síndrome dolorosa miofascial e a dor neuropática.

normalmente atribui-se à endometriose a causa das dores. Entretanto, é muito importante considerar que 60% das pacientes com endometriose são assintomáticas, ou seja, não têm dor, portanto, é necessário considerar todas as estruturas presentes na pelve, não apenas o endométrio.

Geralmente, a DPC se mostra como cólicas, latejamento, pontadas, com forte intensidade, que acabam se associando à dificuldade para urinar e defecar; desconforto durante ou após as relações sexuais; sono não reparador; enxaqueca; ansiedade; depressão; e dificuldade de concentração. A médica alerta que essa dor é de difícil diagnóstico e tratamento, e que 60% das pessoas que sofrem com ela permanecem sem diagnóstico ao longo da vida.

Para a descoberta do problema, é muito importante uma entrevista objetiva e detalhada para avaliar fatores de piora e melhora da dor, investigar doenças sexualmente transmissíveis, que aumentam em até quatro vezes o risco de DPC, analisar a possibilidade de violência sexual, moral e física. O exame físico minucioso, incluindo o ginecológico, é imprescindível para o diagnóstico dessa dor. O tratamento, sempre que possível, deve ser multidisciplinar, pois, como se trata de uma região com muitas estruturas, com disfunções emocionais associadas, às vezes, é necessário o uso de medicamentos concomitantemente com fisioterapia e psicoterapia. Os remédios que podem ser incluídos na rotina dos doentes são, por exemplo, antidepressivos, em pequenas doses, e analgésicos. Proporcionam melhora da dor e da qualidade de vida, facilitando a realização das atividades da vida diária  e profissionais.

Apesar de se tratar de uma doença debilitante, é possível curá-la, desde que diagnosticada correta e precocemente. O projeto de cura deve ser bilateral, do paciente para com o médico e do médico para com o paciente, pois só assim estabelecemos medidas adequadas para reabilitá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *