Menopausa precoce: ‘Aos 15 anos, já sei que não poderei ter filhos’

Março amarelo alerta sobre endometriose
14 de março de 2019
Novos exames detectam lesões causadas pelo HPV com eficácia de 90%
28 de março de 2019
Show all

Quando Annabelle ficou sem menstruar pela primeira vez há dois anos, não levou muito a sério.

Até que começaram as ondas de calor.

E foram piorando.

“Eu estava na aula de ciências e conseguia sentir meu rosto ficando vermelho”, recorda a jovem de 15 anos.

“Minha professora comentou, dizendo ‘tenho ondas de calor porque estou entrando na menopausa’ – e isso me chamou a atenção.”

Ela ficou desconfiada e começou a procurar mais informações na internet.

“Eles [resultados de busca] sempre mostram o pior resultado possível. Eu temia que tudo isso pudesse ser verdade.”

Mais tarde, ela foi diagnosticada com menopausa precoce.

“Foi nesse momento que senti que iria chorar”, contou em entrevista à BBC.

“Escrevi muito sobre o que estava sentindo e tentei expressar meus sentimentos por meio da arte.”

Ela se viu obrigada, então, a enfrentar a questão da fertilidade – a menopausa precoce significa que ela não vai poder ter filhos.

“Não sei o que pensar porque, obviamente, há muitas decisões de vida que eu ainda nem tomei”, diz.

“Acho que vai ser mais difícil para assimilar isso quando eu ficar mais velha.”

Segundo Annabelle, tem sido mais complicado para sua mãe aceitar o fato de que ela nunca poderá engravidar e construir uma família.

O que é a menopausa?

– A menopausa é a fase biológica na vida de uma mulher que começa quando ela para de menstruar;

– A menstruação pode se tornar menos frequente durante meses ou anos antes de ser interrompida definitivamente;

– Outros sintomas incluem ondas de calor, falta de concentração, dores de cabeça, ansiedade, redução do desejo sexual e dificuldade para dormir;

– A menopausa geralmente ocorre entre os 45 anos e 55 anos;

– Mulheres que têm menopausa precoce apresentam mais perda óssea e fraturas, além de uma chance maior de sofrer ataque cardíaco e derrame – devido à perda de estrogênio.

Fonte: NHS, sistema público de saúde do Reino Unido.

Presentational grey line

Anabelle precisou digerir a novidade, além de lidar com todas as questões típicas da vida cotidiana de uma adolescente no Reino Unido.

Não era algo que suas colegas teriam de enfrentar, e ela tampouco esperava que seus amigos entendessem.

“Eu não queria despejar isso sobre eles ou sobrecarregá-los com um problema que não era deles”, diz ela.

As estatísticas indicam que apenas uma em cada 10 mil mulheres com menos de 20 anos é diagnosticada com menopausa precoce.

Em 90% dos casos, acontece de forma espontânea e idiopática, o que significa que a causa é desconhecida e os médicos não conseguem encontrar uma maneira de explicar.

Mas a condição subjacente é a mesma.

Os ovários de Annabelle pararam de produzir óvulos e seus níveis de estrogênio diminuíram.

O estrogênio é o hormônio responsável pelo desenvolvimento de características tipicamente “femininas”, como quadris mais largos e seios maiores.

Os médicos receitaram uma terapia de reposição hormonal (TRH) para tratar os sintomas da menopausa.

Isso significa tomar um comprimido diariamente.

“Se eu esqueço de tomar um comprimido, as ondas de calor voltam imediatamente”, diz ela.

Annabelle está determinada a continuar vivendo uma vida normal.

“Eu não queria ficar sentindo pena de mim mesma, quando alguém poderia estar na mesma sala, sendo diagnosticado na minha idade, com algo muito mais sério”, afirmou à BBC.

“Eu tento me sentir com sorte, mais do que qualquer outra coisa.”

Fonte: www.bbc.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *