Não consegue segurar o xixi ao dar risada? Pode ser incontinência urinária

Infecção urinária: Diagnósticos, tratamentos e cuidados
9 de outubro de 2017
Mas de onde vem a incontinência?
10 de outubro de 2017
Show all

Woman with hands holding her crotch, she wants to pee - urinary incontinence concept

Quando ficamos presos no trânsito com vontade de ir ao banheiro não vemos a hora de chegar em casa para não fazer xixi na calça. Mas nem todo mundo consegue evitar esse tipo de acidente. Quem sofre de incontinência urinária não tem controle da bexiga e perde urina involuntariamente.

“Na minha família, todas as mulheres sofrem com a doença e não é fácil”, afirma uma paciente com bexiga hiperativa que preferiu não se identificar.”Cheguei a fazer xixi na calça três vezes por semana, sempre tinha uma calcinha extra na bolsa e absorventes para diminuir os danos”, explica.”Já paguei mico até no elevador da casa da minha sogra. Nesse dia, até precisei usar cueca do meu cunhado por não ter conseguido segurar”, conta.

As gotinhas de xixi saem sem dar aviso independentemente da idade, mas são mais frequentes nas mulheres –pela própria anatomia do corpo e procedimentos ginecológicos como o parto.A condição pode ser constrangedora, mas existem alternativas para poupar o paciente. Antes de começar o tratamento, é importante identificar o tipo de incontinência.Sim, existem alguns tipos. Veja abaixo:

De esforço: É a mais comum, atinge 50% dos pacientes com incontinência. Ocorre quando o assoalho pélvico –responsável por sustentar órgãos que estão no abdômen, como a bexiga– fica enfraquecido. Pequenos esforços, como tossir, rir ou até levantar, prejudicam o funcionamento da bexiga e do esfíncter (nossa válvula para saída da urina), e a incontinência aparece.

De urgência: É quando a vontade de urinar é tão forte que não dá tempo de chegar ao banheiro, mesmo com pouco xixi na bexiga. Acontece que, em condições normais, a bexiga só é ativada na hora de esvaziar.Mas quem tem problemas de urgência, como bexiga hiperativa, sofre contrações do músculo a qualquer momento e o xixi acaba “fugindo”.

Mista: Neste caso, o paciente sofre com sintomas dos dois tipos citados anteriormente.

Menos comuns: Também é possível ter incontinência por transbordamento, quando a pessoa segura demais e o xixi transborda da bexiga, e “vaza” nas roupas.Outro caso é ter incontinência por fatores neurológicos, que se dá quando há uma falha de comunicação entre o cérebro e o sistema urinário e o corpo não controla a urina devidamente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *