Clamídia, Gonorréia, Tricomoníase e Herpes genital, DST na mulher

Mulheres confiam bastante em seu ginecologista, aponta pesquisa
6 de setembro de 2017
20 cuidados essenciais ao lavar e armazenar sua roupa íntima
11 de setembro de 2017
Show all

Tricomoníase

Causada por um protozoário móvel, oTrichomonas vaginalis. É considerada uma DST (doença sexualmente transmissível). Os sintomas mais comuns são a secreção esverdeada ou acinzentada, fluída, abundante, espumante e com mau cheiro. O exame direto da secreção vaginal demonstra o protozoário. O tratamento deve ser realizado com medicação em dose única e o parceiro sempre deve ser tratado.

Clamídia

A infecção causada pela bactéria conhecida comoClamydia trachomatisé a DST mais comum nos EUA, atingindo principalmente mulheres jovens, solteiras e com múltiplos parceiros sexuais. A transmissão é sexual mas, nas mulheres grávidas infectadas, pode provocar o parto prematuro e ser transmitida durante o mesmo, causando conjuntivite ou mesmo pneumonia no recém-nascido. Muitas vezes a infecção pela clamídia é assintomática, podendo persistir durante vários anos. Geralmente causa uma cervicite (inflamação das células do colo do útero), tendo como sintomas o corrimento vaginal mucopurulento e sangramento após a relação sexual. O diagnóstico padrão é a cultura da secreção da endocérvice ou os novos testes de captura híbrida, mas pode ser detectada no sangue através de testes de imunofluorescência de anticorpos. Pode evoluir para uma doença inflamatória pélvica, atingindo todo o trato genital superior. Sempre deve ser diagnosticada e tratada, pois suas conseqüências são muito sérias, podendo levar à infecção crônica, à gravidez ectópica ou à infertilidade. O tratamento recomendado é o uso de antimicrobianos sistêmicos e inclui obrigatoriamente o encaminhamento do parceiro sexual ao médico. A prevenção enfatiza a prática de sexo seguro, com o uso correto de preservativos, como a única maneira de proteção efetiva para evitar o contágio.
Gonorréia

A gonorréia é uma das doenças infecciosas mais comuns em todo o mundo. É causada por uma bactéria conhecida como gonococo, facilmente transmitida durante as relações sexuais (sexo vaginal, anal ou oral). Atinge todo o trato urogenital e muitas vezes pode ser assintomática. Entretanto, principalmente nas mulheres, pode causar alguns sintomas como: secreção vaginal, disúria (ardência para urinar) ou sangramento uterino anormal.

O número de infecções está aumentando consideravelmente nos últimos anos, principalmente entre os jovens.

O diagnóstico pode ser feito através de cultura da secreção endocervical ou pela constatação do gonococo pela coloração de Gram. O tratamento é realizado com o uso de antibiótico em dose única, para o casal, pois como a infecção simultânea pela clamídia é comum, deve ser instituído tratamento também simultâneo para a mesma.

Herpes Genital

Causada pelo vírus Herpes simples, é uma doença sexualmente transmissível (DST), recorrente, que se manifesta por úlceras genitais. Uma vez a pessoa infectada pelo vírus, ele permanece latente para sempre, residindo na raiz nervosa e só ocasionando sintomas quando reaparece.

A primeira infecção apresenta, como sintomas, manifestações sistêmicas de uma síndrome viral, com febre e mal-estar geral. Após, aparecem vesículas geralmente múltiplas na vulva, que se unem e formam úlceras rasas e dolorosas. O surto é autolimitado e as lesões curam espontaneamente em torno de 14 dias. Os episódios seguintes, em geral, apresentam menor duração e sintomas mais brandos, sendo precedidos por coceira ou queimação. Os surtos podem ser desencadeados por alguma alteração na resposta imune como estresse, gestação, menstruação, cansaço ou um estado imunocomprometido.

O diagnóstico geralmente é feito pela inspeção, podendo ser realizada cultura do líquido viral nas vesículas. As complicações mais freqüentes são a retenção urinária aguda e a encefalite herpética.

O tratamento tem como objetivo encurtar a duração dos sintomas, prevenir as complicações e recorrências e diminuir a transmissão, pois o vírus não pode ser completamente eliminado. Pode ser utilizada medicação via oral ou medicação tópica para aliviar os sintomas, apesar de menos eficaz.

Como prevenção devemos orientar as mulheres no sentido de não terem relações sexuais desde o início dos sintomas até a completa reepitelização das úlceras, utilizando sempre preservativos para maior proteção.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *